4 a 27 de abril 2018 Mundo Maior

 Mostrei as telas da Máquina do Mundo em 2014 depois de algum tempo de imersão no poema de Drummond, nas tintas e nas dimensões daquilo que pretendi fazer. E ingenuamente, chegar ao fim.

Continuei de posse de onze dos quinze trabalhos realizados. Os versos da Máquina do Mundo são convocatórios, embora Drummond “de mãos pensas” termine o poema “desdenhando colher a coisa oferta”.

Mas a aparente abertura da máquina “em calma pura convidando quantos sentidos e intuições restavam a quem de os ter usado os já perdera” bateu forte em mim. E ficou.

Não pude resistir “pela mente exausta de mentar” e logo, voltar aos pincéis, foi um sopro. A minha volta, ouvia Arlene dizer – mas já está pronto!

Está só que não. Foi mais algum tempo a pintar até anteontem.

Ao final pensei, se a coisa “dá volta ao mundo e torna a se engolfar” é porque a Máquina alçou o “MUNDO MAIOR”.

E estão… os hercúleos onze trabalhos de Luiz Palma serão exposto.

ALGUMAS IMAGENS:

 

 

Títulos poéticos extraídos do poema: A Máquina do Mundo; Sino Rouco; Reino Augusto; Pasto Inédito; Nexo Primeiro; Raio do Sol; Natureza Mítica; Sublime Ciência; Céu de Chumbo.

Convido-os a visitar o Astrolábio para ver ou rever este trabalho e deixar-se tomar pela beleza dos versos e as imagens que alcancei com esta inspiradora obra.

O poema ” A máquina do mundo” de Carlos Drummond de Andrade foi considerado por críticos e literatos

no ano 2.000, como o melhor poema brasileiro do século 

 

Meu trabalho bordeja o expressionismo abstrato e figurativo.

Manifesta-se numa dialética criativa de formas translúcidas, cores aplicadas, linguagem conceitual &…

as incomensuráveis expressões do inconsciente.

Luiz Palma

 

 

 

 

Artistas convidados

Astrolábio Ateliê et Galeria

Rua Maria Leonete da Silva Nóbrega, 126
Alto de Pinheiros, São Paulo, SP
Fone 11 38620558

Desfrute ainda mais do Astrolábio

Projetos