Astrolábio Ateliê et Galeria » 60 anos da Bienal de São Paulo

60 anos da Bienal de São Paulo

Astrolábio Ateliê et Galeria

Rua Maria Leonete da Silva Nóbrega, 126
Alto de Pinheiros, São Paulo, SP
Fone 11 38620558

Desfrute ainda mais do Astrolábio

Os 60 anos da Bienal de São Paulo é um momento definido como marcante por Heitor Martins, atual presidente da Fundação Bienal. De fato é e nada mais emblemático para a efeméride do que organizar para o grande público e os artistas uma exposição. O título é excelente “EM NOME DOS ARTISTAS”. Mas a partir daí começam os problemas. O subtítulo “Arte contemporânea norte-americana na Coleção Astrup Fearnley” soa e confirma-se estranho quando adentramos o pavilhão. Sim, são obras da coleção do Astrup Fearnley Museum of Modern Art de Oslo, Noruega. Mas e daí? Por que trazer para os 60 anos da Bienal de São Paulo “… uma seleção significativa da arte contemporânea norte-americana dos últimos 30 anos” – como é apresentada essa farofa? Talvez a mentalidade colonizada dos curadores, talvez a “grande sacada” de um deles, nesse caso, teria sido o mais prolixo de todos, para a oportunidade de nos apresentar algo que se assemelharia as delícias da “economia criativa” e que uma coleção assim exemplificaria para Pindorama esse rabo de foguete mercadológico que rende milhões de dólares para agentes e empreendedores de negócios com “arte, mercado e finanças”. E fica obvia a associação de que bons nisso só poderiam ser os americanos e os ingleses. Cadê a cena brasileira das artes visuais: histórica e contemporânea ? Ou os artistas brasílicos são tidos pelos “curadores” como brasibundas para demonstrar e iluminar a parte que lhes cabe na história da arte? Será que ISSO antecipa o que está por vir na 30º Bienal em 2012? Vale a pena constatar o que é capaz de produzir a demência curatorial nas artes plásticas dos tempos presentes.
Luiz Palma
“A exposição Em nome dos artistas – Arte norte-americana contemporânea na Coleção Astrup Fearnley” propõe-se a dar uma visão (“selecionada e fragmentada”) da arte contemporânea norte-americana dos últimos 30 anos, assim organizada: no primeiro “capítulo” um grupo de “exposições individuais” de obras de artistas norte-americanos dos anos 1980, tais como Jeff Koons, Cindy Sherman, Felix Gonzalez-Torres e Richard Prince; e nos anos 1990, como Matthew Barney, Doug Aitken e Tom Sachs. No segundo “capítulo” artistas americanos emergentes”, tais como: Nate Lowman, Dan Colen, Aaron Young e Gardar Eide Einarsson. O último “capítulo” apresenta obras “impressionantes” do artista britânico Damien Hirst.

http://www.bienal.org.br/FBSP/pt/Emnomedosartistas/Sobreaexposicao/Paginas/sobre-a-exposicao.aspx

60 anos da Bienal de São Paulo
   


Deixe seu comentário